domingo, 30 de janeiro de 2011

Nietzsche e o “homem teórico”

Sócrates iniciou a época da razão e do homem teórico, em contraste com o místico de toda a tradição antiga da época da tragédia.
A tragédia grega tinha o saber místico que une a vida e a morte para a compreensão do mundo.
Porém para Sócrates, a tragédia desvia o homem do caminho da verdade: "uma obra só é bela se obedecer à razão".

Esse ideal concebido por Sócrates seria o verdadeiro mundo, alem do mundo aparente, inacessível ao conhecimento.
Isso originou uma oposição entre Sócrates e Dionisio ...

"enquanto em todos os homens produtivos o instinto é uma força afirmativa e criadora, e a consciência uma força crítica e negativa, em Sócrates o instinto torna-se crítico e a consciência criadora".
disse Nietzsche.

Essa “inversão” terá seguidores no futuro...

Com Socrates, e depois Platão, o homem se afasta cada vez mais do conhecimento antigo e abandona a tragédia - a verdadeira natureza da realidade !
Até, infelizmente, chegar ao marxismo, que ignora a realidade por completo.



O ódio marxista contra Nietzsche

Os marxistas atuais tentam de todas as formas denegrir Nietzsche, até tentaram ligá-lo ao nazismo.
De onde vem esse ódio marxista ?
Esse ódio vem dos seguintes comentários de Nietzsche:

"O socialismo é o fantasioso irmão mais jovem do quase decrépito despotismo, do qual quer herdar; suas aspirações, são, portanto, no sentido mais profundo, reacionárias. Pois ele deseja uma plenitude de poder estatal como só a teve alguma vez o despotismo, e até mesmo supera todo o passado por aspirar ao aniquilamento formal do indivíduo: o qual lhe aparece como um injustificado luxo da natureza e deve ser transformado e melhorado por ele em um órgão da comunidade adequado a seus fins.
Em virtude de seu parentesco, ele aparece sempre na proximidade de todos os excessivos desdobramentos de potência, como o antigo socialista típico, Platão, na corte do tirano siciliano: ele deseja (e propicia sob certas cirscunstâncias) o Estado ditatorial cesáreo deste século, porque, como foi dito, quer ser seu herdeiro.
Mas mesmo essa herança não bastaria para seus fins, ele precisa de mais servil submissão de todos os cidadãos ao Estado incondicionado como nunca existiu algo igual; e como nem sequer pode contar mais com a antiga piedade religiosa para com o Estado, mas antes, sem querer, tem de trabalhar constantemente por sua eliminação – a saber, porque trabalha pela eliminação de todos os Estados vigentes -, só pode ter esperança de existência, aqui e ali, por tempos curtos, através do extremo terrorismo.
Por isso prepara-se em surdina para dominar pelo pavor e inculca nas massas semicultas a palavra ‘justiça’ como um prego na cabeça, para despojá-las totalmente de seu entendimento (depois que esse entendimento já sofreu muito através da semicultura) e criar nelas, para o mau jogo que devem jogar, uma boa consciência.
O socialismo pode servir para ensinar, bem brutal e impositivamente, o perigo de todos os acúmulos de poder estatal e, nessa medida, infundir desconfiança diante do próprio Estado.
Quando sua voz rouca se junta ao grito de guerra ‘o máximo possível de Estado’, este, em um primeiro momento, se torna mais ruidoso que nunca. Porém logo irrompe também o oposto, com força ainda maior: ‘o mínimo possível de Estado’.

(Friedrich Nietzsche, "Humano, demasiado humano")

"Os perigosos entre os subversivos.
- Podemos dividir os que pretendem uma subversão da sociedade entre aqueles que desejam alcançar algo para si e aqueles que o desejam para seus filhos e netos.
Esses últimos são os mais perigosos; porque têm a fé e a boa consciência do desinteresse.
Os demais podem ser contentados com um osso: a sociedade dominante é rica e inteligente o bastante para isso.
O perigo começa quando os objetivos se tornam impessoais; os revolucionários movidos por interesse impessoal podem considerar todos os defensores da ordem vigente como pessoalmente interessados, sentindo-se então superiores a eles."

(Friedrich Nietzsche, "Humano, demasiado humano")

"Uma ilusão na doutrina da subversão.
Há visionários políticos e sociais que com eloquência e fogosidade pedem a subversão de toda ordem, na crença de que logo em seguida o mais altivo templo da bela humanidade se erguerá por si só.
Nestes sonhos perigosos ainda ecoa a superstição de Rousseau, que acredita numa miraculosa, primordial, mas, digamos, soterrada bondade da natureza humana, e que culpa por esse soterramento as instituições da cultura, na forma de sociedade, Estado, educação.
Infelizmente aprendemos, com a história, que toda subversão desse tipo traz a ressurreição das mais selvagens energias, dos terrores e excessos das mais remotas épocas, há muito tempo sepultados: e que, portanto, uma subversão pode ser fonte de energia numa humanidade cansada, mas nunca é organizadora, arquiteta, artista, aperfeiçoadora da natureza humana.
- Não foi a natureza moderada de Voltaire, com seu pendor a ordenar, purificar e modificar, mas sim as apaixonadas tolices e meias verdades de Rousseau que despertaram o espírito otimista da Revolução, contra o qual eu grito: "Ecrasez l'infâme [Esmaguem o infame]!.
Graças a ele o espírito do Iluminismo e da progressiva evolução foi por muito tempo afugentado: vejamos - cada qual dentro de si - se é possível chamá-lo de volta!"

<
(Friedrich Nietzsche, "Humano, demasiado humano")

Essa é a sabedoria de Nietzsche que dá calafrios nos marxistas...


Sobre o "superhomem"

Dominados pelo ódio os marxistas tentam dizer que o "super-homem" nazista veio de Nietzsche.
Isto é uma mentira.
Nietzsche jamais pensou em algo material racista em suas obras.

Em seu livro "Also sprach Zarathustra" Nietzsche usa a palavra alemã "Übermensch", que quer dizer literalmente "Além-do-humano" e não "super homem"

O prefixo alemão "Über", significa "sobre", "alem", "adiante". e não "super".

“mensch”, em alemão, é termo neutro, e se refere a “ser humano”, enquanto apenas “mann”, ai sim, significa “homem”.

Tradutores incompetentes traduziram de forma errada a palavra "Übermensch" como sendo "super-homem", mas o texto de Nietzsche que colocado a seguir, mostra que o significado foi outro.

"O ser humano é uma corda, uma corda estendida entre os animais e o alem-do-humano, uma corda sobre um abismo."

Em alemão:
"Der Mensch ist ein Seil, geknüpft zwischen Tier und Übermensch - ein Seil über einem Abgrund."
[Zarathustra I, Vorrede 4]

Vejam que Nietzsche nesta frase também usa a palavra "über" sozinha, e ai vemos claramente que tal palavra não significa "super", mas sim "sobre" (uma corda sobre um abismo).

Também temos outro exemplo do significado do prefixo "über" no Hino Nacional Alemão:

"Deutschland, Deutschland über alles
Über alles in der Welt"

"Alemanha, Alemanha acima (sobre) de tudo
Acima (sobre) de tudo no mundo"


O significado que Nietzsche deu para a palavra "Übermensch" é a de que existirá mais a frente, milhares de anos com certeza, um animal que não será mais nem animal nem humano, será um animal que estará alem disso - alem-do-ser-humano.



***

Comunidade no Orkut
"Marx é inquestionável !?"

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=47930640


***

Outros blogs

http://shameusblogs.blogspot.com/



Obrigado pela visita !


***



Palavras chaves:
Karl Heinrich Marx Londres biografia economista filósofo sociólogo escritor jornalista burguês proletário revolucionário historiador socialista comunista alemão Friedrich Engels vida e obra Capital capitalismo Ideologia Alemã Manifesto Comunista Liga dos Comunistas revolução França Paris Prússia Alemanha Bruxelas frases pensamentos teórico mais-valia dialética alienação materialismo histórico trabalho exploração história filosofia sociologia superestrutura econômica ideologia doutrina marxismo.









Free Hit Counter

4 comentários: